Meghan Markle critica sexualização da mulher asiática

Meghan Markle criticou Hollywood por promover os “estereótipos asiáticos” ao citar Austin Powers de Mike Myers e Kill Bill de Quentin Tarantino por apresentar “caricaturas” das mulheres asiáticas ao representá-las como “excessivamente sexualizadas e agressivas”, em seu primeiro podcast de Archetypes, depois de um descanso de 4 semanas após a morte da rainha Isabel II.

Em um novo capítulo que explora o estereótipo da Dama Dragão com a jornalista Lisa Link e a comediante Margaret Cho, a duquesa de Sussex, ex-atriz da dramática Suits, falou que esses dois filmes com mais de 20 anos apresentam caricaturas das mulheres com descendência asiática.

O filme Goldmember de Austin Powers de 2002 apresenta as mulheres japonesas Fook Mi, interpretada por Diane Mizota e Fook Yu, que deu vida a Carrie Ann Inaba. Os personagens têm sido criticados por simbolizar sexualmente as mulheres asiáticas.

Em 2003, Kill Bill, foi um sucesso de Quentin Tarantino, onde Lucy Liu interpreta uma assassina e violenta líder da Yakuza, O-Ren Ishii. O personagem foi descrito pela escritora India Roby como uma Dama Dragão estereotipada.

A autora ainda afirmou que o filme usa a sensualidade como uma poderosa ferramenta de manipulação, mas às vezes ela é emotiva e sexualmente fria, ameaçando a masculinidadeLiu respondeu às críticas no ano passado num artigo de opinião para The Washington Post.

Argumentou que chamar a O-Ren Dama Dragão não tem sentido, tendo em consideração que o filme apresenta outras três assassinas profissionais além de Ishii.

Meghan iniciou o podcast falando sobre a sua experiência de crescer em Los Angeles, que estava cheia de cultura, dava para enxergar, sentir, escutar e degustar todos os dias. E falou que tem um verdadeiro amor por conhecer outras culturas, mesmo que não esteja em dia com os estigmas que as mulheres de descendência asiática enfrentam até anos depois.

Acrescentou que os dois filmes não são os únicos exemplos disso, afirmando que existem muitos outros. Meghan comentou de ter ido a um spa coreano quando ela era adolescente e afirmou que é uma experiência muito humilhante para uma criança que está passando pela puberdade.

Ela descreveu sua experiência da seguinte forma: entrar em um quarto com mulheres entre 9 e 90 anos, todas caminhando nuas e esperando uma exfoliação corporal em uma mesa, todas alinhadas em uma fila. A única coisa que eu queria naquele momento era colocar roupa de banho.

Ao final do podcast, Markle motivou aos ouvintes a: ¨ser quem a gente realmente é. Se quiser ser estranho ou ser normal, ser bravo ou ser tonto, ser curioso, duvidar de você mesmo alguns dias e ser corajoso em outros. Seja ou que for, depende de você (…) Só seja você mesmo. Você é muito maior do que qualquer arquétipo¨

Fique por dentro: novo monograma real do Rei Charles III

Deixe um comentário